Preço é alto para tatuados arrependidos

Fonte: Correio de Uberlândia

Sinônimo de rebeldia para uns, mas também utilizadas como expressão de personalidade, vaidade e de sentimentos, as tatuagens são, há milhares de anos, usadas para marcar o corpo. Desenhadas com uma agulha que perfura a pele e transfere para ela a tinta que dará forma à figura escolhida, as tatuagens são feitas para ter durabilidade e não

sumirem ao longo dos anos. Por isso, arrepender-se de uma tatuagem e tentar tirá-la pode se tornar um procedimento doloroso, caro e que, apesar das tecnologias atuais, pode deixar marcas.

Em uma clínica dermatológica de Uberlândia - MG, mensalmente, cerca de 12 pessoas procuram o procedimento a laser para retirar tatuagem. Segundo a técnica em enfermagem Jakeline Roque, a retirada total depende da cor e profundidade do pigmento. “O laser que utilizamos é o padrão ouro para retirada de tatuagens, mas ele atua melhor nas cores preta, azul escuro, verde e não responde às cores vermelha e laranja”, afirmou.

Segundo a profissional, a função do laser é quebrar o pigmento da tatuagem em pequenas partes ao penetrar na pele. Essas partículas são, em seguida, absorvidas pelo organismo. Ainda de acordo com a técnica, o procedimento pode deixar marcas em pessoas com tatuagens vermelhas e alaranjadas e com tendência à queloide.

Além do laser, há tatuagens que são removidas por meio de cirurgias. Após fazer sessões de laser e não conseguir o resultado desejado, Aloísio Soares, que está retirando estrelas coloridas tatuadas em seu braço, optou pelo procedimento cirúrgico. “Já fiz duas cirurgias e agora estou mais satisfeito com o resultado”, disse.

Procedimento é caro e doloroso
As sessões a laser custam, em média, de R$ 300 a R$ 600 e podem ser repetidas a cada quatro ou seis semanas, afirmou a técnica em enfermagem Jakeline Roque. O número de sessões necessárias varia de pessoa para pessoa.

A dor no momento do procedimento é aliviada por um anestésico tópico, aplicado de 40 minutos a uma hora antes do trabalho com o laser. “Após este tempo, o laser é aplicado juntamente com um aparelho de resfriamento para melhor conforto do paciente”, disse Jakeline.

A operadora de PABX Jacqueline Sousa Rodrigues, que já fez cinco sessões de laser para retirar duas tatuagens – uma em cada pulso –, afirma que o procedimento é bastante dolorido. “Sinto muita dor, muito mais do que senti para fazê-las. É como se estivesse apagando um cigarro no meu pulso. Queima bastante”, disse.

Profissão é um dos motivos
De acordo com a técnica em enfermagem de uma clínica dermatológica de Uberlândia, Jakeline Roque, um dos principais motivos que leva os pacientes a tomar a decisão de retirar uma tatuagem é a questão profissional. “A maioria fez tatuagem muito jovem e se arrepende na idade adulta, quando decide a profissão ou quando perde oportunidades de trabalho”, disse.

Esse foi o caso da operadora de PABX Jaqueline Sousa Rodrigues, de 20 anos, que está retirando duas das cinco tatuagens que tem no corpo, após receber uma resposta negativa ao participar de uma seleção de uma companhia aérea. “Eu fiz um curso de comissária de bordo, fiz a entrevista em uma companhia aérea e uma amiga minha que trabalha lá disse que o motivo maior da não contratação foi por ter as tatuagens expostas”, afirmou.

A coordenadora de recrutamento e seleção Flávia Rosa de Souza diz que, apesar de o mercado ter se tornado mais flexível nos últimos anos em relação a profissionais que têm tatuagem, ainda existem restrições, principalmente em empresas mais conservadoras ou para cargos mais importantes, como os gerenciais e os de direção. “A orientação que damos ao candidato é para ele verificar o tipo de empresa para a qual está pleiteando uma vaga de emprego”, afirmou.

Para Flávia, o ideal é que as pessoas pensem em seu futuro profissional antes de escolher entre fazer ou não uma tatuagem. “É realmente se preocupar com o que quer ser na profissão, em que área quer atuar, que tipo de preconceito pode ter lá na frente e qual imagem quer passar com essa tatuagem”, disse.



Voltar para:
Notícias Relações Trabalhistas