Brasileiro valoriza bom atendimento do que preço na hora da compra

Fonte: G1

Desconto é bom e todo mundo gosta. Pechinchar, todo mundo pechincha, mas é o bom atendimento que seduz quem está disposto a gastar.

O consumidor está mais exigente. Não compra de primeira e só volta à loja quando tem um bom motivo. Na hora de fechar uma compra, o que pesa mais? O que conquista esse novo consumidor?

Quando vai trocar ou renovar o guarda-roupa, o consumidor não pensa duas vezes. Ele quer mesmo é ser bem atendido. Um desconto ajuda, mas se o atendimento for ruim e se ele não for bem tratado pelo vendedor, vai embora e desiste da compra.

Gostou da roupa? “Já escolhi e já vou pagar”, comentou a publicitária Adriana Moya. E o preço? “O preço também conta muito”, opina a médica Verônica Furtado. A loja tem de negociar. “Uma promoçãozinha sempre vai bem”, comenta a estudante Isabela Zilah.

Advinha quem mais pechincha? Os clientes que têm bastante dinheiro no bolso. É o que diz uma pesquisa do Instituto de Estudos e Marketing Industrial com 3,3 mil consumidores de todo o país.

Quem tem dinheiro sobrando geralmente não gosta de lojas que se recusam a dar descontos. A pesquisa revela que esses consumidores costumam comparar preços e vantagens. “Brasileiro não tem jeito: tem de pedir desconto sempre”, aponta a gerente financeira Adriana Alcântara.

Mas preço não é tudo. Ao todo, 51% dos entrevistados disseram que o mais importante mesmo na hora da compra é o atendimento. “É imprescindível, em primeiro lugar. O preço vem em segundo”, diz a bibliotecária Izete de Araújo. “Para a gente é um prazer atender sempre”, afirma a gerente Bia Agostinho

Segundo o estudo, ser bem atendido é fundamental, principalmente para os clientes que têm orçamento apertado. A exigência é ser valorizado. Uma loja com vendedores despreparados sai perdendo. “Eu saio e vou embora”, conta a secretária Karen Fragoso.

Foi o que 76% dos consumidores disseram. “Se eu for mal atendida, não passo nem mais na porta da loja”, admite a funcionária pública Ana Paula Cortês.

Já que é assim, cliente satisfeito é bom negócio. Tem loja que vai além: oferece espumante e trufas para o consumidor voltar para casa feliz – e de sacola cheia. “Eu sou recebido e acarinhado. Não sou o marido que veio só para pagar ou que veio contribuir”, comenta o médico Antônio Rodrigues.

“Não passa por outra coisa que não seja exatamente esse conceito de acarinhar e de mimar. Eu acho que isso traz a clientela, não tem outra forma”, observa a advogada Valquíria Pontes.

Bom atendimento garante a compra. Conversando com consumidores, ficou claro que um bom atendente ou um bom vendedor é aquele que não é insistente. É importante não sufocar o consumidor. Muitos vendedores podiam também conhecer melhor o que estão vendendo.

Voltar para:
Notícias Cotidiano