Ibama faz barreira contra cargas perigosas em Coxim/MS

Fonte: Capital News

O transporte de produtos perigosos através da BR 163, principal via de escoamento e acesso que corta o Estado de Mato Grosso do Sul, tem sido alvo da fiscalização do Ibama/MS. Um barreira está sendo realizada no Posto da Polícia Rodoviária Federal em Coxim desde terça-feira (15/02/11). Policiais rodoviários federais e dois integrantes da Secretaria

Estadual de Meio Ambiente fazem parte da fiscalização conjunta.

A partir desta ação, integrantes do Comitê de Emergências e Prevenção de Acidentes Ambientais –COPAEN do Ibama e a equipe de fiscalização pretendem coibir o transporte irregular de produtos perigosos, além de diminuir os riscos de acidentes ambientais e fazer um mapeamento de quais são os produtos perigosos que circulam pelas rodovias e estradas do Estado.

As equipes do Ibama/PRF e Semac abordaram mais de 40 carregamentos de produtos perigosos, durante os dois dias de barreira. O Ibama notificou 37 transportadores e foram lavrados 10 autos de infração. As multas somam, até agora, R$ 73.600. Foi constatado que a maior parte dos carregamentos são de combustível, dentre eles o biodiesel e produtos corrosivos para a fabricação de espumas.

AÇÕES ANTERIORES - Desde o ano passado, quando as primeiras 7 barreiras foram realizadas nas principais rodovias e vias de acesso do Estado de Mato Grosso do Sul, foram notificados pelo Ibama 182 carregamentos que atravessaram o Estado com cargas desses produtos. Nestas barreiras, a fiscalização do Ibama foi educativa. Tais empresas foram notificadas para regularizar a falta de licenciamento ambiental para o transporte destes produtos.

Já nas barreiras desta etapa, o Ibama está notificando quem não foi abordado ainda e autuando as empresas que não apresentaram o licenciamento ambiental obrigatório.
PERIGO - A lista de produtos perigosos soma mais de 3 mil itens, entre corrosivos, explosivos, inflamáveis, solventes, infectantes, radiativos e tóxicos. Para o transporte de todos eles, a legislação exige licenciamento ambiental e registro da empresa no Cadastro Técnico Federal, além de inúmeras medidas de segurança e sinalização especial nos veículos habilitados para isso.

De acordo com a Superintendência do Ibama, o objetivo é prevenir acidentes ambientais com a intensificação da circulação de produtos químicos através do Estado ou do Pantanal. (Com informações do Ibama MS).


Voltar para:
Fiscalizações - Produtos Perigosos