Cetesb aponta despejo irregular de resíduos na IQT de Taubaté
Laudo identificou produtos químicos que podem até provocar câncer.
Se continuar com as ações, empresa pode pagar multa diária de R$ 3 mil.


Um laudo da Companhia de Tecnologia Ambiental (Cetesb) apontou o despejo irregular de resíduos pela Indústrias Químicas de Taubaté (IQT), em galerias da cidade. Foram identificados produtos que podem até provocar câncer em contato prolongado.

Os vizinhos da indústria química convivem com o medo. "Aqui não se sabe se está do lado de uma indústria ou de um barril de pólvora", disse um morador. E eles têm motivos para reclamar. Nos últimos quatro anos, foram três acidentes na fábrica. Em um deles, dois funcionários ficaram gravemente feridos.

Agora, a preocupação é com algo que não pode ser visto pelos moradores: uma contaminação teria sido provocada por resíduos jogados nas galerias pluviais da cidade. Produtos que, segundo a Cetesb, são perigosos. "Constatamos que o butadieno, além de ser cancerígeno, ele é um elemento mutagênico, ele pode causar paralisia respiratória", explicou o defensor público, Wagner Giron.

Segundo a Cetesb, o butadieno, um dos produtos lançados pela indústria, pode provocar problemas como irritação nos olhos e complicações no sistema nervoso e no coração. Ele também é apontado como possível cancerígeno.

A depiladora Andréia Cristina Cândido mora há 28 anos perto da fábrica. Ela diz que sente o cheio forte e que ele provoca bem mais que incômodo. Após saber o que diz o laudo da Cetesb, a situação desagradável ficou ainda mais preocupante. "Da dor de cabeça, tem hora que dá vômito e quando entra dentro de casa é muito forte. É muito triste, porque não é só a gente, tem muitas crianças, pessoas idosas", conta.

Reincidente
Em nota, a Cetesb informou que a empresa é reincidente em questões ambientais. Há dois meses, a IQT recebeu multa de R$ 11.986,00. As multas aplicadas nos últimos três anos somam R$ 178 mil e agora a indústria pode ter mais contas a pagar.

A Defensoria Pública pediu e a Justiça concedeu uma liminar que proíbe a IQT de lançar mais resíduos. "Caso a indústria não cumpra a medida, pode pagar R$ 3mil de multa ao dia, sob pena de multa diária de R$ 3 mil, cessando assim, essa poluição atmosférica e no sistema hídrico que está afligindo a população do entorno dessa fábrica", reiterou Giron.

Outro lado
Por telefone, a assessoria jurídica da IQT se limitou a dizer que a empresa não foi comunicada oficialmente da decisão judicial e só quando for notificada, vai se defender.

Fonte: G1

Voltar para:
Notícias Produtos Perigosos