Veja os erros na declaração do IR que podem fazer você cair na malha fina

Dados incorretos de despesas médicas e omissão de rendimentos são falhas mais comuns

Na hora de declarar o Imposto de Renda 2012, todo o cuidado é pouco para evitar que se caia na temida malha fina. É por meio dela que a Receita Federal identifica erros de preenchimento, que podem ser corrigidos, ou detecta informações inconsistentes que caracterizam sonegação.

Quanto mais tempo o contribuinte demorar para consertar o erro na declaração do IR, maior o atraso no recebimento da grana da restituição.

O Leão pode levar até cinco anos para pagar a grana, que é liberada por meio de lotes residuais da Receita, sem calendário prévio estipulado.

Alguns dos motivos mais comuns para a retenção na malha fina são informações incorretas de despesas médicas e a omissão de rendimentos, segundo a Receita Federal.

A atenção com o preenchimento de números e dados como CPF e CNPJ é fundamental, alertam os especialistas.

O consultor do Cenofisco (Centro de Orientação Fiscal), Marcos Barbosa dos Santos, recomenda atenção ao preencher o formulário:

- Antes de enviar a declaração, o contribuinte deve checar se digitou corretamente os números relatados no informe de rendimentos, bem como os dados cadastrais da empresa ou fonte pagadora.

O R7 apurou com os consultores da entidade alguns dos erros que mais levam o contribuinte à malha fina. Confira o quadro abaixo e saiba como evitá-los:

- Identifique todas as empresas pagadoras: A Receita Federal verifica se todas as empresas das quais o contribuinte recebeu pagamentos estão constando na declaração, pois essas companhias informam ao Fisco todos os vencimentos feitos por trabalho assalariado e todos os demais pagamentos efetuados que tenham sido superiores a R$ 6.000 no ano ou que tenham algum imposto retido por meio da declaração

- Informe corretamente os valores constantes no Comprovante de Rendimentos Pagos e de Retenção de IRRF (Imposto de Renda da Pessoa Física) fornecido pela fonte pagadora: O Leão checa se o imposto realmente foi retido e se os valores são iguais. Esse procedimento só é possível porque a DIRF (Declaração do Imposto de Renda Retido na Fonte) entregue pelas pessoas jurídicas informa essas quantias

- Não deixe de mencionar os valores resgatados na previdência privada: O Fisco cruza esses dados com as informações repassadas pelas instituições de previdência privada

- Cuidado com a dedução das despesas médicas. Valores muito altos costumam chamar a atenção caso a renda bruta declarada não seja muito elevada: Na hora de informar valores de pagamentos, muitos deles são incompatíveis com a renda bruta declarada, o que acarreta em erro. As despesas médicas e os planos de saúde também são cruzados com a DMED (Declaração Serviços Médicos e de Saúde)

- Se você aumentou o patrimônio, certifique-se de que toda a renda adquirida ao longo do ano tenha sido informada: O aumento do patrimônio do contribuinte do início para o fim do ano em inconformidade com os rendimentos declarados indica a possibilidade de fraudes ou omissão de receitas

- Informe a aquisição de veículos novos e imóveis

- Despesas exageradas com cartões de crédito e movimentações bancárias elevadas chamam a atenção da Receita


 



Fonte: R7

 

Voltar para:
Notícias Cotidiano