Fiscalização do Ipem na Washington Luís em Rio Claro autua nove motoristas


De 20 caminhões fiscalizados, nove deles apresentaram problemas no cronotacógrafo, a caixa-preta desses veículos

A fiscalização feita pelo Ipem (Instituto de Pesos e Medidas do Estado de São Paulo) com o apoio da Polícia Militar Rodoviária resultou na autuação de nove motoristas, cujos caminhões apresentaram algum tipo de irregularidade no aparelho chamado de cronotacógrafo.

A operação realizada na manhã de quarta-feira (24/10/12) aconteceu na altura do quilômetro 172 mais 35 metros da Rodovia Washington Luís (SP-310). No total, vinte caminhões foram fiscalizados, (sendo que dois deles transportavam produtos perigosos e 18 de cargas em geral).

De acordo com as normas do Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia), veículos que transportam mais de 4.536 kg ou mais de 10 passageiros precisam possuir o cronotacógrafo, que registra informações do percurso, tais como respeito aos limites de velocidade, distância percorrida e tempo de direção sem paradas.

Cronotacógrafo

O equipamento considerado a “caixa-preta” dos veículos contém um disco diagrama de papel ou fita que deve ser trocado a cada 24 horas ou a cada sete dias. Com os dados emitidos pelo equipamento é possível confirmar, dentre outros dados, distância percorrida pelo veículo, limites de velocidade e tempo de direção.

Para obter o certificado de verificação, obrigatório para transportar cargas e passageiros, o proprietário do veículo deve lacrar o equipamento em uma oficina autorizada pelo fabricante e credenciada pelo Inmetro. Em seguida, deve passar por ensaios em um posto autorizado pelo órgão federal, que analisa se o instrumento atende aos requisitos do regulamento. O posto, então, envia ao Ipem um relatório sobre essa análise e os discos do “crono” para que sejam feitos ensaios metrológicos. No caso de aprovação do equipamento, o certificado de verificação é emitido e tem validade por dois anos em todo o país.

Fonte: Jornal Cidade

 

 

 

 

 

 



Voltar para:
Fiscalização - Produtos Perigosos