Roraima articula programa de fiscalização no transporte de produtos perigosos

O Departamento de Saúde Ambiental (DAS) articula, em parceria com instituições ligadas ao meio ambiente, a criação do Plano Estadual de Prevenção, Preparação e Resposta Rápida (P2R2). O sistema de monitoramento objetiva preparar as instituições para responder de forma rápida às emergências ambientais, no que diz respeito a atividades que possam causar acidentes com produtos químicos perigosos.

O P2R2 é a síntese de uma política nacional, voltada à prevenção, controle e resposta rápida a situações emergenciais envolvendo produtos químicos perigosos. Todas as empresas que trabalham com produtos como combustíveis, agrotóxicos, soda cáustica e ácido sulfúrico, que podem causar problemas de saúde à população, serão monitoradas.

A comissão deverá ter o apoio do Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest), Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Fundação Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Femarh), Corpo de Bombeiros Militar (CBM) e a Coordenadoria Estadual de Defesa Civil – (Cedec).

Também a Vigilância de Populações expostas aos contaminantes químicos (Vigiquim), Vigilância do Solo (Vigisolo) e Vigilância em Desastres de origem natural e antropogênica (Vigidesastres), dois importantes programas ambientais do DAS deverão fazer parte.

Alexandre Castilho, gerente do Vigisolo, frisou que a saúde da população vem em primeiro lugar e que, por isso, existe a necessidade de uma mobilização intra e intersetorial para instalar a Comissão e elaborar o Plano Estadual.

De acordo com ele, será monitorado o transporte de produtos químicos desde a sua procedência, para verificar se está sendo transportado conforme as normas. Além disso, será verificada a sinalização correta no caminhão e o conhecimento do motorista sobre a carga. “Criaremos um protocolo para orientar os motoristas que transportam as cargas”, afirmou.

Segundo Arão Lincoln, gerente do Núcleo de Vigidesastres, atualmente a Defesa Civil faz o controle do que entra no estado, vindo pelas rodovias federais e estaduais. “Com o Plano de âmbito nacional, saberemos desde a saída até a chegada ao destino. Além do cadastro, teremos um Plano de contingência, para sabermos como agir em caso de acidentes no meio ambiente, durante o trajeto”, complementou.

Lincoln mencionou que um carro que carrega cerca de 200 litros de combustível equivale a um risco de acidente de médio porte nas estradas. Entretanto, pessoas trazem além desse volume, clandestinamente e mal acondicionado, do país vizinho. Isso representa risco para a fauna, a flora, os igarapés e o solo. “Em caso de acidentes, leva anos para o meio ambiente voltar à vida novamente”, enfatizou.

Os trabalhos para a implementação do combate a acidentes com produtos químicos serão intensificados, após a Coordenação Geral de Vigilância em Saúde (CGVS) concluir o plano de prevenção a possível enchente deste ano, bem como as ações que deverão ser realizadas e quantificar números de abrigos e de pessoas.


Fonte: Governo de Roraima

 

 


Voltar para:
Fiscalização - Produtos Perigosos