Anfavea divulga emissões.
Fonte: Jornal da Tarde

A Anfavea, associação das fabricantes de veículos do País, passou a divulgar em sua página na internet (www.anfavea.com.br) os índices de emissões de poluentes de automóveis, comerciais leves e caminhões de 15 montadoras (a Hyundai, representada pelo Grupo CAOA, e a Renault ainda não revelaram seus dados). A medida é uma resposta à divulgação na semana passada pelo Ministério do Meio Ambiente de um ranking de emissões e a Nota Verde, que também classifica os veículos conforme as emissões.

A iniciativa do governo gerou polêmica entre as fabricantes. Dos argumentos contrários estavam o fato de o ranking do ministério ser baseado em dados de 2008 e de seguir critérios diferentes dos utilizados para homologação de veículos no próprio Ibama.

As informações fornecidas pela Anfavea referem-se a modelos comercializados este ano, já de acordo com a fase L5 do Programa de Controle de Poluição do Ar por Veículos Automotores (Proconve). Diferentemente dos números do Nota Verde, no ranking das montadoras as várias versões de um mesmo carro (que compartilhem motor e câmbio) apresentam nível equivalente de emissões. No do MMA há várias diferenças - em determinados casos, para a mesma versão, como no Honda Fit LX 1.4, por exemplo.

As montadoras também divulgam um dado omitido pelo governo: as emissões de CO2 dos flexíveis quando abastecidos com álcool. Esse foi outro ponto gerador de reclamações, já que há vantagem para o derivado da cana-de-açúcar. Além de sua queima produzir índices menores na maioria dos motores flexíveis, o gás apontado como um dos responsáveis pelo efeito estufa é recuperado durante a fotossíntese da planta.

Assim como no ranking do ministério, ficaram de fora do elaborado pela Anfavea informações relativas a outros poluentes, como material particulado e dióxido de enxofre, considerados mais nocivos em centros urbanos. O argumento das montadoras é que as informações seguem o padrão determinado pelo Proconve.

Na semana passada a TV Estadão reuniu especialistas para debater sobre o Nota Verde. A conclusão é que o ranking foi considerado incompleto.

Francisco Nigro, professor da Escola Politécnica da USP e conselheiro do Instituto da Qualidade Automotiva, afirmou que o ranking do governo mostra apenas “um pedacinho” da questão da poluição ambiental.

A Anfavea informa que seus dados têm função meramente informativa e não recomenda sua utilização para comparação entre os veículos listados.




Voltar para Notícias - Meio Ambiente