Defesa Civil fiscaliza transporte de produtos perigosos em Paranaguá.
Fonte: Tribuna do Norte

A Defesa Civil do Paraná fiscalizou, na manhã desta terça-feira (30), o transporte de produtos perigosos na BR-277, em Paranaguá. Dos 17 caminhões fiscalizados, quatro foram autuados e dois tiveram a documentação do veículo retida pela Polícia Federal.

Um dos veículos autuados apresentava problemas na simbologia do produto. Segundo capitão Wagner Lúcio dos Santos, responsável pelas operações no transporte rodoviário, o caminhão transportava álcool, mas possuía duas placas de identificação do produto - inflamável e corrosivo.

"Isso é irregular. Em um acidente, a placa de inflamável pode cair e mostrar a identificação de produto corrosivo. O procedimento adotado pelos órgãos de Defesa Civil será um, quando, na verdade, deveria ser outro. Isso coloca em risco a vida das pessoas e o meio ambiente", explicou Wagner. Neste caso, a multa foi de R$ 123,00 para o dono do veículo e R$ 308,00 para o dono da carga.

O álcool é um dos produtos perigosos classificados pela Associação Brasileira de Indústrias Químicas. São aproximadamente 3,5 mil produtos, como gasolina, diesel, substâncias corrosivas, explosivas e oxidantes. Para fazer o atendimento, a Defesa Civil tem mais de 70 procedimentos diferentes.

Já nas outras três autuações, o problema estava na falta de documentação específica para o transporte de produtos perigosos, como a ficha de emergência, que apresenta as características do produto, indicando também sua periculosidade. "Também a partir desta ficha avaliamos os procedimentos que devem ser adotados e a necessidade do uso de determinados equipamentos de proteção, como luvas e máscaras", disse Wagner.

A fiscalização da Defesa Civil é promovida mensalmente em todo o Paraná, e organizadas por oito regionais. "Elas são importantes porque obrigam os veículos a estarem aptos para o transporte de produtos perigosos, que, em acidentes, podem atingir pessoas e o meio ambiente", avaliou Wagner.

Diversos órgãos participaram da ação: Corpo de Bombeiros, Polícia Ambiental, Companhia de Polícia Portuária (da Polícia Militar), Departamento Municipal de Transportes, Polícia Rodoviária Federal, Ecovia (que tem a concessão do trecho) e Crea.


Voltar para:
Fiscalizações de Produtos Perigosos