Operação contra transporte irregular de cargas perigosas
Fonte: A Tribuna, Rodrigo Medeiros e Marcio Costa

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) deflagrou ontem, no posto de Araranguá, uma operação de combate ao transporte irregular de produtos perigosos. Ao todo, mais de 40 motoristas de caminhões foram notificados – seis deles por transporte irregular de carga perigosa. Eles foram autuados e deverão pagar multas. A força-tarefa contou com apoio da Polícia Ambiental de Maracajá, Receita Federal, Defesa Civil, Vigilância Sanitária e Corpo de Bombeiros.

Objetivo é prevenir desastres ambientais

A fiscalização teve como objetivo principal prevenir possíveis desastres ambientais decorrentes do derramamento de produtos químicos em acidentes de trânsito ao longo da BR-101. Além disso, o trabalho dos fiscais da Vigilância Sanitária de Araranguá teve como foco os equipamentos de segurança exigidos pela legislação, que proíbe o transporte irregular de produtos químicos junto com alimentos destinados ao consumo humano. Segundo o policial rodoviário federal Otiliano Walnier Júnior, mais de 120 veículos foram abordados durante a fiscalização, que teve início às 9h e terminou às 16h. "Além da emissão de comandos de carga perigosa, também foram checadas as condições de segurança dos veículos, documentação irre-gular, entre outros equipamentos obrigatórios", diz. A Receita Federal controlou a passagem de mercadorias sem nota fiscal e os crimes de sonegação fiscal.

Material deve estar bem acondicionado

O motorista que conhece a regulamentação sobre o transporte de cargas perigosas não só ajuda na prevenção de riscos como evita severas multas, de acordo com a PRF. A carga deve estar bem acondicionada. Embalagens rachadas ou da-nificadas, por exemplo, põem em risco o meio ambiente. A utilização de recipientes apropriados e trancas seguras farão com que o material não se desloque durante o transporte.


Voltar para:
Fiscalizações de Produtos Perigosos